Blog ML Imóveis » Meio Ambiente


Categoria: Meio Ambiente

Deixe um comentário (0)

Cuidar do meio ambiente, economizar e montar uma casa linda. Esta é a equação para uma decoração feita com caixas e pallets, aqueles estrados de madeira reutilizada. Esse tipo de material está com tudo. Nas fotos, exemplos dos mil e um usos da madeira: como sofá, cabeceira da cama ou nichos no quarto.

— Dá para fazer mesas, revestimentos, luminárias… A imaginação é o limite — diz a arquiteta Thaís Cosso que, ao lado de Carmen Bragança, fez um ambiente com pallets para a mostra Morar mais por Menos do ano passado.

Thaís alerta apenas para o uso deste tipo de madeira em áreas externas, como varandas e jardins, e em ambientes bem “molhados” como cozinha e banheiro.

— A madeira que fica ao ar livre ou exposta à umidade precisa de manutenção frequente porque não é tão resistente se comparada a uma maciça. É preciso aplicar selante e produtos que protejam contra pragas e insetos — explica, lembrando que muitas vezes, nestes casos, o custo será menor se comprar um móvel já pronto.

Pode-se pegar caixas em feiras livres ou comprar em lojas especializadas que vendem o pallet ao natural, lixado ou pintado. Uma delas é o Atelier da Caixas, que fica no Cadeg, em Benfica.

— A madeira vem de um fornecedor do Sul. Compram aqui desde pessoas que estão montando a casa até empresas enormes — explica Jandilson Rodrigues, um dos sócios da loja.

No caso de aproveitar material usado da feira, dê preferência às caixas de embalar laranjas que, em geral, são as mais resistentes.

Compras

No Atelier da Caixas, o natural sai por R$ 30 (1,8m x 1,8m). Informações no site: atelierdascaixas.com. Já no site Casa com Pallet (casa.compallet.com.br), o palete retangular cru (comprimento: 1,2m /largura: 80 cm/altura: 14 cm) tem preço a partir de R$ 55

Modo de fazer

O ideal é seguir a ordem: limpar, lixar, limpar de novo e passar tinta ou resina acrílica.

Anote aí

Material para pintar o pallet: lixas, tinta na cor desejada, pincel ou rolinho, bandeja de pintura e uns metros de plástico para cobrir o chão.

A jornalista Thaís Bernardes colocou a mão na massa e fez um armário de banheiro para sua casa nova:

— Buscava uma decoração diferente. Comecei a ver vários móveis de pallets e pensei em comprar alguns. Fui até a Cadeg pegar, mas eles eram vendidos e caros. Tinha até fila de espera para comprá-los. Foi então que decidi ir à feira e catar os caixotes. Comprei tinta e todos os utensílios necessários e fiz o meu primeiro pallet, um armário para o banheiro. E virão muitos outros.

Fonte: Extra

Deixe um comentário (0)

Preocupados com a sustentabilidade e com um planeta melhor para as próximas gerações, muitas pessoas fazem a coleta seletiva. Entrando nessa onda, muitos condomínios também resolveram se organizar para fazer essa “ação verde” de forma conjunta. No post de hoje, falaremos um pouco sobre esse assunto, tão importante e atual. Venha aprender!

 

  • O que é coleta seletiva

 

Nada mais é do que a coleta diferenciada de resíduos, separados segundo sua constituição/composição. Ou seja, resíduos com características parecidas são selecionados pelo gerador (morador) e disponibilizado para a coleta separadamente.

  • Por que separar os resíduos

 

Cada tipo de resíduo tem um próprio processo de reciclagem. Quando vários tipos diferentes de resíduos sólidos são misturados, sua reciclagem fica muito mais cara, ou até impossibilitada, pela dificuldade de separá-los posteriormente.

  • Tipos de resíduos

 

A separação básica, por assim dizer, é a segregação de resíduos recicláveis secos (como metais, papel, plástico e vidro) dos rejeitos, que são resíduos não recicláveis (como fraldas, absorventes, cotonetes). Outra categoria muito importante de resíduos são os orgânicos, que consistem em restos de alimentos e resíduos de jardim (folhas secas e podas, por exemplo). Eles também não devem ser misturados com outros tipos de resíduos, o que dificultaria, e muito, a reciclagem, pois esses serão reciclados para se tornarem adubo.

  • Como funciona a coleta seletiva

 

Depois de separar o lixo, deve-se destiná-lo corretamente. Muitas prefeituras, já com o pensamento sustentável, desenvolveram em suas cidades formas para a coleta seletiva, tendo sido os materiais previamente separados pelos moradores. No Rio de Janeiro, por exemplo, a Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) faz a coleta seletiva do lixo nas zonas Norte, Sul e Oeste, além do Centro da Cidade.

  • Instruções básicas

 

Todo o material reciclável deve ser embalado em sacos plásticos transparentes ou translúcidos (azul e verde), para que o gari consiga visualizar o conteúdo. Recomenda-se uma rápida lavagem dos materiais recicláveis (como caixas de leites, potes de achocolatados etc), para facilitar o trabalho na próxima etapa.

Viram?! Não é difícil! E, com essas dicas, ficou ainda mais fácil ser ecologicamente correto e juntar uma galera pra fazer parte desse movimento, não é mesmo?! O que você está esperando?

Deixe um comentário (0)

No post de hoje, listaremos dicas para você economizar energia na sua casa e no seu condomínio. Afinal, isso é bom para o meio-ambiente e para o bolso de todo mundo, não é verdade?! Então, só temos a ganhar com essas medidas simples! Confira abaixo…

  1. Se seu prédio tem dois ou mais elevadores, estude a possibilidade de desligar um, diariamente, num horário de menor movimento.

  2. Novamente, se seu prédio possui mais de um elevador, oriente os moradores a chamarem apenas um quando forem utilizar e a fazerem uso das escadas para trajetos curtos.

  3. Converse com os funcionários do condomínio para que mantenham as luzes apagadas durante o dia, não afetando na segurança, é claro.

  4. Em ambientes externos, como áreas de lazer e jardins, substitua as lâmpadas por lâmpadas a vapor de sódio de alta pressão (VSAP) ou vapor metálico.

  5. Rebaixe as luminárias da garagem para aumentar a abrangência de iluminação e reduzir o número de lâmpadas utilizadas.

  6. Ainda falando de lâmpadas, substitua-as por fluorescentes, que economizam até 75% de energia se comparadas a lâmpadas comuns (e duram até 8 vezes mais!).

  7. Deixe os lustres e luminárias da sua casa e condomínio sempre limpos, aproveitando ao máximo a potência das lâmpadas – a sujeira reduz a incidência de luz.

  8. Pinte o teto e as paredes com cores claras, pois elas refletem mais a luz natural.

  9. Se as lâmpadas do condomínio não possuem interruptores temporizados nas áreas comuns, instale minuterias, que permitem que as lâmpadas fiquem acessas temporariamente.

  10. Elimine os vazamentos de água e, com a ajuda de um profissional, dimensione adequadamente a bomba, utilizando o modo automático para desligá-la, assim, a bomba hidráulica será acionada menos vezes.

  11. Substitua os eletrodomésticos antigos por aparelhos novos, que possuam o Selo de Economia de Energia, e evite deixá-los no modo Stand-by, porque, mesmo estando desligados, esse modo pode representar um gasto mensal de até 12% maior.

E então, nada complicado, né?! Hora de colocar a mão na massa e poupar energia!

Baixe a cartilha de economia de energia da ML e use no seu condomínio, é só clicar aqui. :) 



Páginas (17):« Começo...23456...10... Fim »