Blog ML Imóveis » Meio Ambiente


Categoria: Meio Ambiente

Deixe um comentário (0)

Você já ouviu falar nos edifícios Energia Zero? Eles são relativamente novos e vêm ganhando espaço nos projetos mundo afora. Por isso, resolvemos trazer esse tema para o post de hoje, falando sobre o que são e também alguns exemplos de sucesso. Leia mais abaixo.

Esse tipo de edifício atende suas demandas energéticas independente do fornecimento externo de energia elétrica ou contrabalanceando seu uso gerando energia renovável. Exatamente, ele é energicamente autossuficiente e isso não é só possível, como já existente!

Não precisam ser prédios pequenos ou compactos. Qualquer construção, independente do seu tipo ou porte, pode ser uma de Energia Zero. O que importa é que seja, desde sua concepção, projetado para reduzir o máximo possível o consumo.

Para um projeto desse tipo, é essencial que uma equipe com especialistas de diversas áreas relacionadas ao meio-ambiente e ao uso da energia participe, desde o início, trabalhando juntamente com o arquiteto.

Os arquitetos precisam estar envolvidos, pensando no equilíbrio ecológico. Para isso, é essencial que a arquitetura seja pensada para o clima específico do local, preocupando-se, primeiramente, com fatores como iluminação e ventilação naturais.

Posteriormente, fazem parte das considerações a implantação de sistemas eficientes de condicionamento e iluminação artificial, por exemplo, e, então, devem ser pensados métodos para gerar energia renovável, como a instalação de placas solares.

Ao redor do mundo, há alguns bons exemplos. No Reino Unido, um pioneiro residencial, o BedZed, entregue em 2002, possui cerca de oitenta casas. Dentre as preocupações principais estava a de que o projeto tivesse orientação correta sobre a luz solar e ventilação natural.

Ademais, outro interessante caso de sucesso é o prédio Pixel, em Melbourne, na Austrália. Além do design super interessante e original, o projeto de 2011 tem, também, arquitetura sustentável, sendo a primeira construção carbon free da Austrália.

No Brasil, o assunto ainda não é muito abordado e praticado, de fato. Um projeto bem sucedido é a Creche Municipal Hassis, em Florianópolis. Quando inaugurada, estimou-se uma economia de cerca de R$ 30.000,00 anuais.

Esse projeto serviu para provar que uma obra nesses moldes é viável para o mercado brasileiro, além da economia elétrica (e, por conseguinte, financeira) possível de ser conseguida. E você, o que achou desse tipo de construção? Acha praticável aqui no Brasil, ou, ainda mais específico, perto de onde vive?

Deixe um comentário (0)

O ano de 2017 começa com bandeira verde na conta de luz do mês de janeiro. De acordo com o relatório mensal do Operador Nacional do Sistema (ONS), a condição hidrológica favorável determinou o acionamento de usinas térmicas com “Custo Variável Unitário abaixo de R$ 211,28 por megawatt-hora (R$/MWh)”.

“O valor da térmica acionada ficou em 128,65 R$/MWh e possibilitou a manutenção da bandeira verde, sem custo para todos os consumidores de energia elétrica”, diz nota da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O sistema de bandeiras tarifárias, criado pela Aneel, indica o custo real da energia produzida. Isto possibilita o uso racional do consumo de eletricidade.

As bandeiras tarifárias, de acordo com a agência, funcionam da seguinte maneira: as cores verde, amarela ou vermelha indicam se a energia custará mais ou menos devido às condições de geração de energia elétrica.

Fonte: Agência Brasil

Deixe um comentário (0)

A Abralimp sugere técnicas e equipamentos que ajudam a economizar água na limpeza

Com o calor excessivo, o consumo de água aumenta e junto com ele a necessidade de economizar este recurso tão precioso. Até bem pouco tempo nos deparamos com a falta de água, uma ameaça sempre presente. O grande desafio era e continua sendo o de economizar sem comprometer a eficácia da limpeza. E o mais importante: garantir a saúde das pessoas, pois limpeza e saúde estão diretamente ligadas.

Atenta a isso, a Abralimp (Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional) preparou algumas dicas que ajudam empresas, condomínios e as pessoas em geral a adotarem processos e equipamentos mais eficazes, confira:

1) Enceradeiras industriais

Por meio da enceradeira industrial, indicada para diferentes pisos, é possível limpar com eficácia e rapidez superfícies que somente com água, detergente e vassoura não seriam possíveis. Além disso, o equipamento possui uma ação mecânica excelente, trabalhando com pouquíssima água aliada ao produto químico adequado.

2) Lavadoras de alta pressão

Grandes áreas como pátios, garagens e estacionamentos, por exemplo, precisam ser limpas constantemente e a lavagem é inevitável. Neste cenário, o uso das lavadoras de alta pressão é uma alternativa eficaz para a economia de água.

Segundo os especialistas da Abralimp, a lavadora recebe a água da torneira, aumentando consideravelmente a pressão e diminuindo a vazão comparada a uma mangueira convencional.

Com essa pressão maior, a limpeza é mais rápida, ou seja, o tempo é muito menor para lavar áreas próximas a piscinas, por exemplo, do que com a utilização de uma mangueira, além da melhor qualidade final.

As vantagens sustentáveis deste equipamento não param por aí. Existem também outros grandes fatores positivos, como a redução do uso de produtos químicos, de tempo e de esforço físico. O usuário não precisa utilizar uma vassoura para esfregar, por exemplo, pois a lavadora faz o exercício físico em seu lugar.

3) Implantação do sistema de reuso de água em condomínios

O reuso da água da chuva para fins não potáveis é uma ótima alternativa que os condomínios encontram para a diminuição do consumo de água.

Atualmente, muitas edificações já contam com um sistema de captação de águas pluviais por meio de um reservatório. O que acontece é que essa água é bombeada para fora do condomínio, ou seja, para rua.

 Desta forma, sugere-se alterar essa saída para dentro do edifício, uma vez que a água captada poderá ser utilizada na limpeza das áreas comuns e na rega de jardins.

4) Sistemas de limpeza Spray Mop

Os Mops são bastante versáteis tanto para recolher partículas soltas (pó), como para limpeza úmida e aplicação de ceras e acabamentos em superfícies lisas horizontais ou verticais. Utilizados nas tarefas de manutenção da limpeza, o sistema de spray aplica as soluções por meio de jatos dirigidos.

O refil de microfibra encaixado na base promove uma limpeza mais eficaz por conta da capacidade de absorção e também da ação de limpeza mecânica que exerce sobre as superfícies.

Podemos destacar também a vantagem de estar com solução sempre isenta de contaminação, além de um rendimento médio de 100m²/l.

5) Panos coloridos de microfibra e borrifadores

Não soltam pelos e, diferente dos panos de algodão convencionais, absorvem mais água e sujidade.

Recomenda-se a utilização de panos coloridos para separação por ambientes ou por tarefas. A lavagem pode ser realizada em um único passo: colocá-los juntos de molho em solução com detergente neutro líquido e depois torcer. Não utilizar amaciantes ou alvejantes.

O borrifador também é um acessório pouco lembrado que faz muita diferença no processo, podendo ser usado com gatilhos coloridos para separação dos produtos utilizados, o que ajuda a evitar a contaminação cruzada, trazendo facilidade e economia de água.

6) Balde espremedor com divisórias para duas águas

O equipamento é composto de balde duplo com divisória fixa, espremedor, cabo, refil mop e garra.

Na parte dianteira do balde coloca-se a solução de água com produto de limpeza, a ser aplicada no piso; e na parte traseira a água limpa para enxague do refil mop.

O balde espremedor promete utilizar apenas 30% do volume de água, se comparado à limpeza convencional.

Este sistema também permite excelente ergonomia para o usuário. Garante uma limpeza mais eficiente e com uso racional de químicos e da própria água, resultando em duplo benefício com a diminuição do impacto ambiental e maior segurança para o usuário.

Fonte: Síndico Net



Páginas (17):12345...10... Fim »