Você já ouviu falar nos edifícios Energia Zero? Eles são relativamente novos e vêm ganhando espaço nos projetos mundo afora. Por isso, resolvemos trazer esse tema para o post de hoje, falando sobre o que são e também alguns exemplos de sucesso. Leia mais abaixo.

Esse tipo de edifício atende suas demandas energéticas independente do fornecimento externo de energia elétrica ou contrabalanceando seu uso gerando energia renovável. Exatamente, ele é energicamente autossuficiente e isso não é só possível, como já existente!

Não precisam ser prédios pequenos ou compactos. Qualquer construção, independente do seu tipo ou porte, pode ser uma de Energia Zero. O que importa é que seja, desde sua concepção, projetado para reduzir o máximo possível o consumo.

Para um projeto desse tipo, é essencial que uma equipe com especialistas de diversas áreas relacionadas ao meio-ambiente e ao uso da energia participe, desde o início, trabalhando juntamente com o arquiteto.

Os arquitetos precisam estar envolvidos, pensando no equilíbrio ecológico. Para isso, é essencial que a arquitetura seja pensada para o clima específico do local, preocupando-se, primeiramente, com fatores como iluminação e ventilação naturais.

Posteriormente, fazem parte das considerações a implantação de sistemas eficientes de condicionamento e iluminação artificial, por exemplo, e, então, devem ser pensados métodos para gerar energia renovável, como a instalação de placas solares.

Ao redor do mundo, há alguns bons exemplos. No Reino Unido, um pioneiro residencial, o BedZed, entregue em 2002, possui cerca de oitenta casas. Dentre as preocupações principais estava a de que o projeto tivesse orientação correta sobre a luz solar e ventilação natural.

Ademais, outro interessante caso de sucesso é o prédio Pixel, em Melbourne, na Austrália. Além do design super interessante e original, o projeto de 2011 tem, também, arquitetura sustentável, sendo a primeira construção carbon free da Austrália.

No Brasil, o assunto ainda não é muito abordado e praticado, de fato. Um projeto bem sucedido é a Creche Municipal Hassis, em Florianópolis. Quando inaugurada, estimou-se uma economia de cerca de R$ 30.000,00 anuais.

Esse projeto serviu para provar que uma obra nesses moldes é viável para o mercado brasileiro, além da economia elétrica (e, por conseguinte, financeira) possível de ser conseguida. E você, o que achou desse tipo de construção? Acha praticável aqui no Brasil, ou, ainda mais específico, perto de onde vive?